Finalmente, há mais jovens americanos que 'acreditam' na evolução, em vez do criacionismo

No famoso discurso série de televisão inicial A redação fomos ensinados sobre o fato de que os Estados Unidos não são o melhor país do mundo (e que, de fato, foi particularmente maggufo): "Somos líderes mundiais em apenas três categorias: número de pessoas encarceradas per capita, número de adultos que acreditam que existem anjos e em despesas de defesa, já que passamos mais do que os próximos 26 juntos, 25 dos quais são aliados".

Contudo, pela primeira vez, parece que as coisas estão mudando, pelo menos no que diz respeito à adesão majoritária ao criacionismo, e não à teoria da evolução. Pelo menos em jovens, pela primeira vez, há mais pessoas que consideram a evolução verdadeira ao invés do criacionismo.

Ideologia secular

De acordo com uma pesquisa recente, 51% dos americanos com menos de trinta anos considera que a evolução do ser humano ocorreu independentemente de qualquer intervenção divina. Não é muito, mas já é algo. Especialmente se considerarmos que em 2009 apenas 40% acreditavam na evolução.

Talvez essa tendência positiva de a secularização da educação mais elementar deve-se, entre outras coisas, às batalhas legais disputadas para integrar a evolução nos livros de ciências das escolas de todo o país, em vez de design inteligente ou criacionismo, como ocorreu em alguns estados.

Em alguns livros didáticos do Alabama, por exemplo, foi apontado que a teoria da evolução era uma teoria controversa, quando na realidade é uma das mais fortes da história da ciência. Vamos dar uma olhada no aviso incluído em todos os livros de biologia do Conselho Estadual de Educação do Alabama, 1996-2001:

Este livro fala sobre evolução, uma teoria controversa que alguns cientistas apresentam como uma explicação científica da origem dos seres vivos, como plantas, animais e seres humanos. Ninguém estava presente quando a vida apareceu na Terra. Portanto, qualquer afirmação sobre as origens da vida deve ser considerada uma teoria, não um fato.

Novos desafios

A pesquisa foi realizada pelo Centro de Pesquisa Pew em julho e também revela que, infelizmente, apenas 35% de todos os estados adultos pensam que a evolução é o produto de causas independentes de poder superior. E outros 31% disseram acreditar que os seres humanos sempre existiram em sua forma atual desde o início dos tempos.

Portanto, ainda existem muitos desafios a serem alcançados, e eles não se baseiam apenas na correção de livros didáticos, mas também na extração das ideologias do conteúdo científico (seja em tópicos evolutivos, como mudanças climáticas, entre outros). Em suma, o primeiro desafio em um país como os Estados Unidos, tão polarizado por idéias políticas e religiosas, será conseguir que todos os professores abordar as mudanças climáticas e a evolução como um fato, independentemente de suas crenças religiosas e do estado em que se encontram.