Essas bactérias podem comer o plástico dos nossos oceanos

Somente em 2013, foram produzidas no mundo cerca de 56 milhões de toneladas de polieterftalato de etileno, também conhecido como PET, cujo acúmulo é um problema crescente nos ecossistemas do mundo marinho.

Mas isso pode terminar graças à descoberta publicada na Science por Kohei Oda, principal autor do estudo e pesquisador do Instituto de Tecnologia de Kyoto (Japão): uma bactéria que devora essa substância poluidora. Especificamente, o trabalho é realizado por uma nova enzima da bactéria, que eles denominaram Ideonella sakaiensis201-F6, que pode degradar quase completamente uma folha fina de PET após seis semanas a uma temperatura de 30 ° C.

De acordo com Oda:

Até agora, não havia nenhum relatório sobre como degradar o PET em dióxido de carbono e água. Uma das razões é que o PET possui estruturas cristalinas e também uma natureza química hidrofóbica. (…) Conseguimos isolar esses microrganismos em um local de reciclagem de garrafas PET. Nosso estudo é apenas o começo para desenvolver uma tecnologia que pode degradar o material PET desperdiçado em escala industrial. E faremos isso usando o grupo de bactérias ou Ideonella sakaiensis ou enzimas da cepa o mais rápido possível.

A descoberta das novas bactérias não foi acidental. Os pesquisadores japoneses argumentaram que, como o PET é um composto orgânico, poderia ter evoluído formas de vida adaptadas a ele.