NASA transmite um vídeo de um eclipse solar retirado do espaço

A Terra e a Lua foram gravadas cruzando-se em frente ao Sol em 1º de setembro, em um fenômeno curioso que só é possível no espaço, graças ao Solar Dynamics Observatory (SDO) da NASA.

O resultado foi um eclipse simultâneo visível da África Austral. O eclipse era conhecido como anel de fogo, ou eclipse anular, que é semelhante a um eclipse solar total, exceto pelo fato de ocorrer quando a Lua está em uma órbita mais distante do que a média da Terra. Você pode vê-lo abaixo.

Nos dados do SDO, pode-se dizer que as sombras da Terra e da Lua diferem por suas bordas: a da Terra é difusa, enquanto a da Lua é precisa e definida. Isso ocorre porque a atmosfera da Terra absorve parte da luz solar, criando uma borda mal definida. Por outro lado, a lua não tem atmosfera, produzindo um horizonte claro.

SDO

O Solar Dynamics Observatory (SDO) da NASA mantém vigilância constante sobre o Sol, mas durante as temporadas semestrais do eclipse, a Terra bloqueia brevemente a linha de visão do observatório espacial todos os dias, uma conseqüência da órbita geossíncrona do SDO.

NASA lançou a missão Observatório da Dinâmica Solar com o objetivo de estudar a variabilidade solar e o impacto na Terra. Um dos instrumentos mais importantes para essa missão é o Atmospheric Imaging Assembly (AIA), que usa quatro telescópios simultaneamente para tirar 8 fotografias do Sol a cada 12 segundos. Existem também outros dois instrumentos, juntamente com os quais a informação atinge 1,5 terabytes por dia.