O risco de depressão aumenta com o uso de pílulas anticoncepcionais

Uma forte correlação foi encontrada entre as mulheres que usam pílulas anticoncepcionais, adesivos ou anéis vaginais com sintomas clínicos de depressão, de acordo com um estudo recente realizado por pesquisadores da Universidade de Copenhague.

Alterações nos níveis de estrogênio e progesterona podem desempenhar um papel crucial nessa tendência. O estudo foi publicado na revista Arquivos de Psiquiatria Geral.

O estudo analisou dados do Registro Nacional de Prescrições da Dinamarca e do Registro Psiquiátrico Central de Pesquisa, que incluem mais de 1 milhão de mulheres entre 15 e 34 anos.

55,5% das mulheres usavam contraceptivos hormonais; 23.077 diagnósticos de depressão foram feitos e 133.178 prescrições de antidepressivos foram assinadas pela primeira vez. O risco foi maior para aqueles que usavam contraceptivos, mas foi ainda maior para adolescentes entre 15 e 19 anos, pois o risco aumentou 1,8 vezes para depressão e 2,2 vezes para o uso de antidepressivos. Como ele explica Oyvind Lidegaard, co-autor do trabalho:

Nossos dados indicam que os adolescentes são mais sensíveis do que as mulheres mais velhas à influência do uso de contraceptivos hormonais ao risco do primeiro uso de antidepressivos ou do primeiro diagnóstico de depressão. Esse achado pode ser influenciado pelo fato de as meninas adolescentes serem mais vulneráveis ​​aos fatores de risco para depressão.

Os autores lembram que a prevalência de depressão é quase o dobro entre as mulheres, em comparação aos homens, mas essa diferença não surge até depois da puberdade. E acredita-se que dois hormônios sexuais femininos, estrogênio e progesterona, possam aumentar o risco durante a idade fértil.