Os vasos sanguíneos cultivados em laboratório são administrados a pessoas com insuficiência renal.

De acordo com um novo estudo, a Humacyte, uma empresa de tecnologia de Durham, Carolina do Norte, conseguiu cultivar vasos sanguíneos usando células musculares lisas humanas, encontradas em artérias e veias.

E depois disso, adicionou com sucesso esses vasos sanguíneos cultivados em laboratório no sistema circulatório de pacientes, sendo mais eficaz que o procedimento padrão, que consiste em usar tubos sintéticos para substituir os vasos sanguíneos danificados.

Cultivado pelo tecido receptor

Os vasos sanguíneos são cultivados a partir do próprio tecido do receptor e podem ser usados ​​para substituir artérias danificadas por doenças cardíacas. Para conseguir isso, as células foram separadas dos vasos, eliminando proteínas que podem ser reconhecidas como estranhas pelo sistema imunológico do receptor. Então eles implantaram os vasos, 42 centímetros de comprimento e 6 milímetros de diâmetro, nos braços de 60 pessoas com insuficiência renal.

As amostras colhidas em 13 dessas pessoas ao longo de um período de quatro anos mostraram que os vasos sanguíneos se tornaram tecidos de várias camadas que cicatrizaram automaticamente após uma lesão, efetivamente se tornando os vasos da própria pessoa.

A substituição dos vasos sanguíneos é necessária em muitas situações, como quando as artérias são danificadas por trauma ou doença cardiovascular. A cirurgia de revascularização do miocárdio, por exemplo, envolve enxertos de vasos para restaurar o fluxo sanguíneo normal para o coração. Atualmente, o padrão é usar as artérias ou veias, mas às vezes isso não é possível, nesse caso, um tubo sintético é implantado.

A vantagem dos vasos concebidos pela bioengenharia sobre os implantes feitos de polímeros sintéticos é que não mostrou sinais de cicatrizes ou reações inflamatórias.