O ser humano já começou a modificar o meio ambiente há 4.000 anos, antes do que se acreditava

Agricultura itinerante e pastagem eles já haviam afetado mais de 40% da área terrestre da Terra há 4.000 anos. É isso que sugere um novo estudo da Escola de Evolução Humana e Mudança Social da Universidade Estadual do Arizona, publicado na revista Ciência.

O estudo também aponta que o cultivo contínuo era comum e disseminado na maior parte do planeta há 2.000 anos, mais de 1.000 anos antes do indicado por estudos anteriores.

Agricultura

Para compilar os dados do impacto ambiental do ser humano no passado, o Projeto ArchaeoGLOBE, enviando uma pesquisa massiva para acadêmicos cuja experiência abrangeu áreas ao redor do mundo. Um total de 255 entrevistados completou mais de 700 questionários regionais, que forneceram as informações para o estudo.

De acordo com Nicole Boivin, diretor do Departamento de Arqueologia do Instituto Max Planck para a Ciência da História Humana e principal autor do estudo:

Os arqueólogos têm conjuntos de dados críticos para avaliar os impactos humanos a longo prazo no mundo natural, mas eles permanecem amplamente inexplorados em termos de avaliações globais. Essa nova abordagem da contratação coletiva para agrupar dados arqueológicos é extremamente inovadora e proporcionou aos pesquisadores uma perspectiva única.

Assim, podem ser avaliadas as ações dos povos antigos que beneficiaram ou prejudicaram a biodiversidade e lhes permitiram residir de forma sustentável ou não em uma área por um período prolongado. O estudo também tem implicações para os modelos do sistema Terra usado para prever o futuro impacto ambiental humano.